História das Transações Econômicas

05/10/2017

As transações economicas modernas se desenvolvem em um cenário completamente novo, cercado de transações em bolsas de valores,  cartões de crédito e moedas digitais. Traçaremos um histórico do desenvolvimento dessas transações, passando pelos momentos mais marcantes desse novo cenário.

As trocas são realizadas a pelo menos 10.000 a.c. Até pouco tempo, as transações econômicas eram feitas majoritariamente na forma direta (escambo). Porém, o processo de especialização das funções produtivas criou um cenário de insatisfação econômica, forçando a introdução de um sistema de troca indireta, que, ao utilizar uma moeda como intermediária, consegue usá-la como: meio de troca, unidade de conta e reserva de valor.

Para uma troca funcionar via escambo, ela precisa preencher dois requisitos: a dupla coincidência de desejos - isto é, o ofertante de uma mercadoria deve achar um demandante que seja simultaneamente ofertante do produto que o primeiro deseja- e a chamada equiparação quantitativa - ou seja, conseguir trocar mercadorias de valor variado sem que nenhuma parte saia perdendo.

A dificuldade de preencher esses dois requisitos a partir do escambo aumenta com o desenvolvimento das produções especializadas, criando um novo sistema de trocas indiretas mediadas por um objeto de aceitação geral capaz de liquidar as transações realizadas.

Nas trocas indiretas, é possível, dissociar uma troca em duas operações: venda e compra. Assim, o desejo da compra pode ser satisfeito com uma moeda, independente da coincidência de desejos. Essa dissociação no tempo precisa ainda permitir que o indivíduo possa retirar no futuro uma quantia igual a que foi paga, e por isso, a moeda precisa ser uma reserva de valor.

Com a introdução das moedas nas transações econômicas, ela passa a ser o denominador comum de valor, fornecendo um padrão para as mercadorias expressarem seus valores. Usando uma moeda como meio de troca, unidade de conta e reserva de valor, o sistema indireto realiza uma grande quantidade de transações econômicas em pouco tempo.

Simultaneamente ao desenvolvimento do sistema indireto, instituições destinadas a guardar as moedas começaram a surgir como responsáveis pela intermediação entre agentes superavitários e agentes deficitários.

Essas instituições financeiras começaram a cobrar taxas para armarzenar as moedas e cobrar juros para emprestar os recursos dos agentes superavirtário aos deficitários. Essas instituições, conhecidas como bancos, evoluirão muito desde 1406, quando o primeiro banco moderno foi criado em San Giordio, em Gênova. Abaixo mostraremos um pouco desse desenvolvimento.

O fim do padrão ouro em 1914 inicia um momento de desordem econômica, provocada pela falta de uma moeda que atuasse como unidade de valor. Só em 1944, o padrão dólar-euro interrompe o período de desordem monetária, estabelecendo-se como moeda referencia para as transações mundiais.

Após a segunda guerra mundial, os primeiros cartões de crédito começam a ser criados por donos de estabelecimentos para melhor atender os clientes fiéis e por instituições financeiras interessadas em distribuir crédito para agentes deficitários.

O uso dos cartões se difunde rapidamente e o mercado de transações econômicas começa a evoluir, aumentando a velocidade das transações econômicas e diminuindo as fraudes.

Em 1994, acontece a primeira transação econômica pela internet para comprar uma Pizza Hut. Abaixo é possível ver a interface do canal de pedidos.

Com o lançamento da Amazon e do eBay em 1997, as compras online começam a se popularizar, atingindo milhões de clientes pelo mundo.

Em pouco tempo, nasce a PayPal, oferecendo um serviço de compras simplificadas para essas plataformas. As empresas de venda online sofriam com abandono das compras no momento de finalizá-la, devido aos longos cadastros que tinham de ser preenchidos. A revolução da PayPal reside no aumento do número de compras fechadas, exatamente por conta da facilidade de seu uso.

Em 1998, Wei Dai publica em um fórum cypherpunk, a proposta de um sistema anônimo e distribuído de dinheiro eletrônico. Oito anos mais tarde, Satoshi Nakamoto também publica em um fórum cypherpunk, um white paper chamado "Bitcoin: a peer-to-peer eletronic cash system", referenciando inclusive o Wei Dai.

Durante os oito anos entre o Money B e o Bitcoin, as empresas de cartão de crédito chegam a emitir mais de um bilhão de cartões de crédito pelo mundo, popularizando as transações econômicas eletrônicas.

Uma curiosidade interessante, é que, assim como a primeira transação econômica virtual  foi realizada na compra de uma pizza, a primeira transação de bitcoin realizou a compra de uma pizza por 10 mil bitcoins.

Na década seguinte o número de transações nas bolsas de valores, nas redes de cartão de crédito, em plataformas digitais e  das moedas digitais cresce exponencialmente, lançando o mundo em um novo momento das transações econômicas: a era digital.

O ano de 2017 é marcado pelas ICOS (ofertas inicias de moedas) e pelo lançamento de uma centena de moedas digitas. Atualmente esse mercado mobiliza mais de R$ 580 bilhões, chamando a atenção de Estados Nacionais que estudam lançar suas próprias moedas.